• "O verdadeiro evangelho exalta a Deus... Se camuflado a excelência perderá!"

    CONDENADOS PELA PROSPERIDADE




    CONDENADOS PELA PROSPERIDADE | João Eduardo Cruz


    Quanto a mim, os meus pés quase tropeçaram; por pouco não escorreguei. Pois tive inveja dos arrogantes quando vi a prosperidade desses ímpios.” Salmos 73:2,3

    Não cheguei a ter, como Asafe, “inveja dos arrogantes”, mas, assim como ele, muitas vezes pensei não haver justiça alguma neste mundo, principalmente quando via líderes de igrejas enganando pessoas, prometendo-lhes dinheiro, saúde e vitória, incluindo emocional, enquanto lhes arrancava até o último centavo. Pensava eu "Por que Deus não faz nada? Por que Ele permite que essas pessoas sejam ludibriadas por esses homens?

    Enfim, por que Deus não fazia com esses líderes conforme fez com Nabucodonosor, livro de Daniel capitulo 4, onde, o rei, por não dar a glória devida ao Senhor em relação aquilo que havia conquistado, foi transformado em um ser humano repugnante, vivendo como um animal nas cercanias do seu reino. Só depois de um tempo, Nabucodonosor recobrou a sanidade e finalmente louvou a Deus por tudo que Ele fez e é. Se assim fosse, provavelmente esses líderes aprenderiam a glorificar a Deus e não ao dinheiro e ao poder de suas instituições. Mas, ao que parece, Deus tinha planos para o tirano Nabucodonosor que não são os mesmos em relação a certos líderes religiosos de nossos dias. 

    Entendi então que a justiça já estava sendo feita quando esses líderes trocam a glória de Deus por riquezas terrenas passageiras, isso em si já é uma condenação, pois que valor têm tais coisas diante da herança maior que é ter Jesus como único tesouro pelo qual importa viver? Asafe reconheceu em seu Salmo "Quem tenho eu no céu senão a ti? E na terra não há quem eu deseje além de ti." (Salmos 73:25). Tais homens e seus seguidores abrem mão de dependerem do Deus vivo, querem fazer valer suas existências a partir daquilo que tem e não do que devem ser. 

    Para que Deus seja louvado por esses, é necessário que os sirvam em todos os seus desejos, e de acordo com nossa natureza pecaminosa enxergar a relação com Deus dessa forma fará com que tais desejos se tornem cada vez mais ambiciosos e insaciáveis, pois, se Deus tudo pode e usa este poder para meus fins, não haverá limites para que eu seja “abençoado”. 

    A justiça se faz quando essas igrejas crescem, pessoas gananciosas as enchem, seus líderes enriquecem, e a tudo isso eles chamam de "prosperidade". Deus lhes cegou o entendimento, foram consumidos pelo mal de tal forma que o chamam de bem, são condenados naquilo que aprovam (Rm 14.22).

    0 comentários:

    Postar um comentário