• "O verdadeiro evangelho exalta a Deus... Se camuflado a excelência perderá!"

    A PROVIDÊNCIA DE DEUS | O livro de Ester e suas lições



    A PROVIDÊNCIA DE DEUS - O livro de Ester e suas lições | Camila Peixoto

    Então Mardoqueu mandou que respondessem a Ester: Não imagines no teu íntimo que, por estares na casa do rei, escaparás só tu entre todos os judeus. Porque, se de todo te calares neste tempo, socorro e livramento de outra parte sairá para os judeus, mas tu e a casa de teu pai perecereis; e quem sabe se para tal tempo como este chegaste a este reino? - Ester 4.13-14

    O livro de Ester é um dos dois livros bíblicos que tem como título o nome de uma mulher, o outro livro é Rute. O nome da rainha é citado cerca de 50 vezes ao longo da história. É também um dos dois livros que ao longo de seus capítulos não aparece o nome “Deus”, acontecendo o mesmo apenas com Cantares de Salomão. 

    A autoria do livro é desconhecida, estudiosos afirmam que o livro foi escrito por um judeu que conhecia os costumes e a linguagem dos persas e sugerem que Mardoqueu ou Esdras tenha sido o autor.

    O fato de o nome de Deus não aparecer no livro não esconde o seu agir. Mattew Henry, um comentarista bíblico, disse que “se o nome de Deus não está aqui, Seu dedo está”. 

    A palavra chave do livro é providência. Os dez capítulos do livro têm muito a nos ensinar, giram em torno da providencia de Deus com o seu povo. É a história de uma jovem simples do povo que se tornou rainha, pela providencia divina, para salvar o seu povo. 

    Iniciaremos hoje a série que intitulo de A providência de Deus – o livro de Ester e suas lições. 

    A história de Ester é um misto de tragédia, romance, ação, drama e fé. Encontramos ao longo dos dez capítulos os seguintes episódios:

    • Uma grande e pomposa festa, que termina com um rei bêbado e sem rainha;
    • Um povo (judeu) longe de sua terra e um soberbo oficial do reino querendo exterminar todo o povo;
    • Uma linda órfã que passa por um concurso de beleza e ganha não apenas a coroa, mas o coração do rei, que se apaixona por ela, mesmo sem saber sua origem;
    • O rei corre perigo de morte e um estrangeiro descobre o plano e consegue salvá-lo;
    • Um período de insônia entre dois banquetes que muda a sorte do estrangeiro;
    • Um plano para matar o judeu indo de encontro a um plano para honra desse mesmo judeu.

    Repito: Deus não é citado, mas grande é o seu agir! Os primeiros quatro capítulos falam de uma oposição forte aos judeus, mas o livro termina com a vitória do povo (não sou da linha dos que pregam apenas vitória, mas Deus não se deixa escarnecer, Ele não deixa o justo desamparado). 

    Hoje é só a introdução do que vem por aí, mas quero finalizar esta primeira parte afirmando a você que embora venham tribulações sobre nós, devemos nos firmar na certeza de que não devemos desistir, porque o nosso Deus nunca nos deixa sozinhos e toda tribulação produz um peso eterno de glória mui excelente.


    “Ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia. Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente; não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas.” - 2 Coríntios 4:16-18

    Até o próximo texto. Em Cristo Jesus,

    Por Camila Peixoto.

    0 comentários:

    Postar um comentário