• "O verdadeiro evangelho exalta a Deus... Se camuflado a excelência perderá!"

    ETERNA CONSOLAÇÃO




    ETERNA CONSOLAÇÃO | C. H. SPURGEON


    E o próprio nosso Senhor Jesus Cristo e nosso Deus e Pai, que nos amou, e em graça nos deu uma eterna consolação e boa esperança. 2 Tessalonicenses 2:16

    "Consolação". Ha música nesta palavra: como a harpa de Davi, ela espanta o espírito maligno da melancolia. Foi uma honra distinta a Barnabé ser chamado "o filho da consolação", mas não só isso: é um dos ilustres nomes de alguém maior do que Barnabé, pois o senhor Jesus é "a consolação de Israel", Eterna consolação" - aqui está o melhor de tudo, pois a eternidade de conforto é a coroa e glória de tudo.

    O que é esta "eterna consolação"?


    Ela inclui uma convicção de pecado perdoado. Um cristão recebeu no coração o testemunho do Espírito de que suas iniquidades foram levadas como uma nuvem e suas transgressões, como uma nuvem espessa. Se o pecado for perdoado, não será isso uma eterna consolação?

    Em seguida, O Senhor dá a Seu povo uma permanente convicção de aceitação em Cristo. O cristão sabe que Deus o olha como estando em união com Cristo. União ao Senhor ressurreto é uma consolação de ordem mais permanente; é, de fato, eterna. Ainda que a doença nos prostre, já não vimos centenas de crentes tão felizes na fraqueza da enfermidade quanto estariam na força da saúde robusta e florescente? Mesmo que as flechas da morte nos atravessem o coração, nosso conforto não morre, pois não ouviram com frequência nossos ouvidos as canções dos santos quando se regozijaram porque o amor vivo de Deus era amplamente derramado em seu coração na hora de morrer? Sim, uma sensação de aceitação no Amado é uma eterna consolação.

    Além disso, o cristão tem uma convicção de sua segurança. Deus prometeu salvar aqueles que confiam em Cristo, e o cristão confia em Cristo, e crê que Deus será tão bom quanto Sua palavra e o salvará. Ele sente que está a salvo em virtude de estar ligado à pessoa e à obra de Jesus.

    C. H. Spurgeon

    0 comentários:

    Postar um comentário